Notícias do Pomar

Cientistas querem desvendar vírus da videira

O GPGV foi detectado pela primeira vez no nordeste da Itália em 2011


Concentrando-se em um vinhedo específico na região de Chateauneuf-du-Pape, no sul da França, os patologistas de plantas passaram 8 anos monitorando mais de 60 plantas em busca de sinais do vírus Grapevine Pinot gris (GPGV). Ao contrário das observações anteriores na Itália, eles observaram uma propagação explosiva do vírus, com mais de 75% das plantas testadas infectadas entre 2014 e 2015. Surpreendentemente, apenas um número marginal de videiras testou positivo durante os cinco anos restantes do estudo.

O GPGV foi detectado pela primeira vez no nordeste da Itália em 2011, graças ao High-Throughput Sequencing (HTS), uma tecnologia mais recente que aprimorou nossa capacidade de entender melhor as respostas das plantas e a expressão do genoma. Os patologistas de plantas também podem usar o HTS para identificar o viroma, que representa a montagem de genomas virais em uma amostra.

Ao olhar para o GPGV, o patologista de plantas Jean-Michel Hily e seus colegas recuperaram informações genômicas de 18 amostras e remontaram 25 genomas completos.

"Juntamente com as análises filogenéticas, propusemos um modelo de reconstrução filodinâmica dos eventos de introdução e propagação do GPGV na região de Chateauneuf-du-Pape", explicou Hily. "A maior probabilidade de introdução de GPGV no vinhedo CDP foi estimada entre 1999 e 2003, com 3 a 6 introduções independentes possíveis. Também é importante apontar o quão poderosas as ferramentas de bioinformática se tornaram - nosso modelo previu com precisão uma onda de transmissão dentro do vinha entre 2014 e 2015, conforme já confirmado pela RT-PCR."

Suas descobertas contrastam com as situações de GPGV em dois vinhedos italianos, que mostraram uma propagação rápida, mas regular e progressiva do vírus ao longo do tempo. A natureza explosiva do vírus no vinhedo francês contribui para a compreensão existente do GPGV e levanta questões sobre vetores, condições climáticas específicas ou outros parâmetros desconhecidos.

Hily e seus colegas já escreveram sobre o GPGV antes. Seu primeiro trabalho proporcionou um estudo da história evolutiva mundial do vírus e é um ótimo complemento para seu trabalho mais recente, que oferece mais detalhes sobre a epidemiologia em escala local. "Nossos resultados destacam também a dissociação entre a introdução do vírus, mais provavelmente de materiais infectados, e sua transmissão planta a planta por vetores", observa a equipe. *Agrolink

Comments