Eventos

O IICA inaugura Semana da Agricultura Digital que reúne ministros, altos funcionários e 15 startups das Américas com inovações para acelerar a digitalização no agro

A agricultura digital nos permitiria introduzir o acompanhamento dos planos nacionais de pesquisa e extensão agrícola


Os participantes também conheceram o Fab Lab, laboratório de inovação agropecuária do IICA

O Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) inaugurou a Semana da Agricultura Digital, foro que organiza com a Bayer, a Microsoft e o Banco Mundial. Nela, 15 startups das Américas e atores do setor tecnológico e agropecuário apresentarão, proporão e coordenarão ideias para acelerar a transformação digital do setor agrícola e dos sistemas agroalimentares na região.

O evento se estenderá até 19 de maio nas instalações do IICA em São José, Costa Rica. Sua abertura teve uma mesa de diálogo com decisores políticos de alto nível.

Participaram os Ministros da Agricultura de Guiana, Zulfikar Mustapha, Chile, Esteban Valenzuela, e do Panamá, Augusto Valderrama; os Vice-Ministros da Agricultura do Equador, Eduardo Izaguirre, e de Honduras, Roy Lazo; a líder do programa nacional do Instituto Nacional de Alimentação e Agricultura do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), Ann Stapleton; e o Coordenador de Agricultura da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (SADER) do México, Santiago Arguello.

Neste espaço, aberto pelo Diretor Geral do IICA, Manuel Otero, as autoridades compartilharam as suas perspectivas sobre a agricultura digital como um elemento medular para o enfrentamento dos desafios dos sistemas agroalimentares nos seus países e na América Latina e no Caribe (ALC). Houve concordância em que esses desafios giram ao redor de temas com solo, água, mudança do clima, monitoramento de pragas e doenças, extensão agrícola e comércio e sustentabilidade, reforçados no contexto atual pela pandemia e pelo conflito bélico no Leste Europeu.

"A tecnologia pode enfrentar esses desafios, e a digitalização é crítica para ajudar os agricultores a tomar decisões melhores e transformar o desenvolvimento agrícola, tornando-o mais produtivo e resiliente. A Comunidade do Caribe (CARICOM) avança em uma estratégia de agricultura que tem a meta de aumentar a competitividade no processo produtivo com tecnologias inteligentes, incrementar o comércio intrarregional e melhorar a infraestrutura e a conectividade, especialmente para os pequenos produtores", afirmou o Ministro Mustapha.

"Temos lacunas na ruralidade e no digital, e nesses tempos é preciso incentivar a todos para nos tornarmos agricultores usuários de dados e eficientes", disse o Ministro Valenzuela. "É muito importante aprendermos de outras experiências de países irmãos. Temos lacunas na ruralidade e no digital, mas aprendemos algumas coisas bonitas que faremos nesses dias - por exemplo, do Centro de Informações de Recursos Naturais (CIREN), um centro de estudos e informações para a agricultura do nosso país, daremos informações prediais abertas sobre alternativas de ocupação dos solos", destacou o Ministro do Chile.

O titular da carteira agropecuária do Panamá, Augusto Valderrama, afirmou: "Vemos na tecnologia uma das únicas saídas para sermos eficientes e produtivos, fazermos mais com menos, contaminarmos menos a natureza e vivermos em um mundo sustentável", ressaltando a importância de ferramentas de referência geoespacial, drones, aplicativos e outros.  Na mesma linha, o Vice-Ministro equatoriano, Eduardo Izaguirre, reforçou que, mediante as tecnologias digitais, é possível melhorar aspectos básicos como a "irrigação por parcelamento e estatísticas para projetar a colheita e determinar a rentabilidade, sendo fundamental no nível fitossanitário com dados detalhados para diagnosticar o impacto de pragas e na comercialização de produtos".

"A agricultura digital nos permitiria introduzir o acompanhamento dos planos nacionais de pesquisa e extensão agrícola", observou por sua vez o Vice-Ministro de Honduras, Roy Lazo.

"A agricultura digital é, hoje em dia, um tema de suma importância para todos os países da América Latina: nós a visualizamos como a ferramenta que nos permitirá melhorar os nossos sistemas de cultivos e sistemas produtivos (...) Precisamos monitorar as áreas de cultivos, conhecer qual é a demanda do país para determinar os níveis de importação que deveríamos ter - para isso, ela seria uma ferramenta de grande utilidade. Esperamos nos inserir na agricultura digital e obter a eficiência dos sistemas produtivos. A agricultura digital nos permitiria acompanhar os planos nacionais de pesquisa e extensão agrícola, sendo uma ferramenta de grande utilidade. Felicitamos o IICA por essa iniciativa para melhorar o nosso sistema alimentar", acrescentou a autoridade hondurenha.

Ann Stapleton, do USDA, afirmou que a transformação digital facilitará o avanço em matéria de agricultura climaticamente inteligente, por "minimizar o rastro ambiental, dar maior valor agregado aos produtos agrícolas, aumentar a produção local e criar justiça, equidade e oportunidades para melhorar os meios de vida na ruralidade", para o que é necessário reforçar a infraestrutura com regulamentações e políticas que apoiem a inovação.

"Tudo isso nos permite eficiência nas cadeias de suprimento, facilita de forma exequível o acesso de toda a população a alimentos, com o apoio de instrumentos de política pública", concordou o Coordenador de Agricultura da SADER, Santiago Arguello.

Visão e ações do setor privado - Como parte do primeiro dia de sessões e atividades da Semana da Agricultura Digital, também foram apresentadas as visões e as ações da Bayer, do Banco Mundial e da Microsoft na digitalização da agricultura. A atividade foi moderada pelo Especialista do IICA em Agricultura Digital Federico Bert, coordenador do evento.

A gerente de Cadeia de Valor de Alimentos da Bayer, Ana Paulina Posso, aprofundou o potencial da digitalização no setor agrícola lançando mão da inteligência artificial, da internet das coisas, da robótica, da análise de dados, dos satélites e dos drones, além de apresentar a plataforma Field View para a coleta informações de perspectivas que oferecem ações e recomendações práticas ao produtor em matéria de sementes, fertilizantes e produção, visando a economizar custos e melhorar a sua produtividade.

"Desenhamos soluções sob medida para a gestão sustentável dos recursos e o aumento da produtividade, cujo objetivo é oferecer inovação de porte mundial e cuja missão é empoderar 100 milhões de agricultores até 2030. O acesso à informação é o que nos permite gerar inovação, é o que precisamos para poder impactar a produtividade e ajudar o mundo a enfrentar o desafio que todos temos como humanidade", assegurou Posso.

A economista Sênior do Banco Mundial, Joanne Gaskell, ao apresentar um app da instituição para mulheres empreendedoras da Guatemala, complementou que é crucial "investir em pesquisa transformacional e em desenvolvimento, para se ter soluções e tecnologias digitais bem adaptadas onde o agro é mais carente".

"O enfoque do Banco Mundial para a agricultura digital se faz mediante cinco pilares no ambiente de políticas públicas: infraestrutura, competitividade, plataformas, serviços financeiros e empreendedorismo. As tecnologias digitais podem contribuir para atender a uma gama de necessidades do setor agrícola, como fortalecer os sistemas de pesquisa e desenvolvimento, aumentar a segurança alimentar e a alimentação saudável, reduzir desperdícios, melhorar a resiliência climática e robustecer os mercados financeiros", disse Gaskell.

O Diretor de Educação para a América Latina da Microsoft, Luciano Braverman, destacou a necessidade de se conectar atores, avançar em matéria de conectividade para as zonas rurais, desenvolver habilidades digitais para acelerar a digitalização e promover a sustentabilidade no setor agrícola, onde as Agtechs desempenham um papel vital.

"O negócio das Agtechs é estupendo. O crescimento observado nos últimos anos é de 41% ao ano, o que nos abre um horizonte importante, e a Microsoft está trabalhando de perto com startups, governos e o IICA para cumprir a sua missão de empoderar o ecossistema agroindustrial da América Latina, torná-lo um motor de crescimento sustentável, resiliente e inclusivo e com impacto socioeconômico na região", afirmou depois de apresentar a Farmbeats, uma plataforma de dados para o agro.

Na abertura da Semana da Agricultura Digital, também a Gbot Solutions e a Milar, startups da Argentina, apresentaram os suas soluções e inovações digitais para uso do agro.

A primeira aplica robótica e inteligência artificial para transformar radicalmente a forma como se descrevem os cultivos; a outra tem como objetivo primário um software, a que se seguirá a criação de um dispositivo de pulverização seletiva para o controle de erva daninhas.

Essas empresas fazem parte das sete startups com inovações agropecuárias da Argentina, das duas do Brasil e duas do Chile e das quatro de Colômbia, Guatemala, México e Peru, uma de cada país, selecionadas de um total de 80 candidatas a participar da Semana da Agricultura Digital com todas as despesas pagas.

Da Argentina estão presentes Agroconsultas, Ecodrip, Milar, Origino, Wiagro, Appi.ar by Beemore e Gbot Solutions; SIMA e Tarvos do Brasil; Neltume Agro e Frescapesca.com do Chile; BloomsPal Network da Colômbia, AgtechApps da Guatemala, TheFarmerbox do México e AGROS do Peru (ver box).

Essas Agtechs poderão expor as suas inovações tecnológicas, ter acesso a palestras de alto nível e intercambiar ideias com organizações internacionais sobre a transformação digital. Além disso, terão a oportunidade de desenvolver junto ao IICA projetos piloto de suas soluções nos Estados membros do organismo hemisférico especializado em setor agrícola e ruralidade.

Nos próximos dias, a ênfase da Semana da Agricultura Digital estará no olhar acadêmico e na pesquisa, para se aprofundar os benefícios e possíveis riscos da transformação digital do agro e as implicações da digitalização para os agricultores e a vida rural. Será apresentada a experiência da Precision Development (PxD) em assistência técnica digital e as perspectivas e iniciativas da Universidade Estadual do Novo México, Estados Unidos.

Também serão analisados o papel dos mecanismos e dos institutos de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica no processo de transformação digital, a evolução da digitalização no agro, o seu estado atual e projeções para o futuro.

Haverá espaço para a ênfase em organizações multilaterais e colaborativas mediante a visão e as ações em transformação digital agrícola da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), da União Europeia (UE) e do Centro Agronômico Tropical de Pesquisa e Ensino (CATIE).

Serão incluídas no foro apresentações das diferentes startups sobre soluções digitais para aumentar a produção e a eficiência, minimizar o rastro ambiental e enfrentar a mudança do clima, potencializar o comércio, as cadeias de valor e a cooperação de atores, e apoiar as decisões e gestão dos agricultores nos níveis produtivo, econômico e financeiro.

Esse esforço faz parte da iniciativa hemisférica lançada pelo IICA e denominada Missão Agricultura Digital em Ação (ADA), que visa a promover uma transformação digital dinâmica e inclusiva da agricultura das Américas.

"As tecnologias digitais são uma das principais ferramentas para a transformação dos sistemas agroalimentares e a melhoria da produtividade, sustentabilidade e inclusão", concluiu o Diretor Geral do IICA, Manuel Otero, que ponderou o papel desempenhado pelas startups para se avançar na digitalização do setor.

"Por quê? Muitas das soluções digitais são fornecidas por pequenos empreendedores com grande potencial de escalonamento, próprio do mundo digital. O IICA está profundamente comprometido com a propulsão da transformação digital, e queremos contribuir para que seja dinâmica e inclusiva, e não deixe ninguém para trás", concluiu.

A Semana da Agricultura Digital é transmitida em espanhol pelo perfil Facebook del IICA e em inglês e português pelos seus canais no YouTube (@IICAnews e @IICAnoticiaspt).

Sobre o IICA - É o organismo internacional especializado em agricultura do Sistema Interamericano. Sua missão é estimular, promover e apoiar os esforços de seus 34 Estados-membros para alcançar o desenvolvimento agrícola e o bem-estar rural, por meio da cooperação técnica internacional de excelência.
Mais informação: Gerência de Comunicação Institucional do IICA - [email protected]iica.int

Comments