Eventos

Pesquisadores da EPAGRI visitam região de produção agrícola na Argentina

As principais produções agrícolas na província de Mendoza são: videira, com 144.000 ha, frutas com 84.000 ha (ameixa, pêssego, cerejas, etc), e as hortaliças com 35.000 ha


Durante o período de 29 de novembro a 04 de dezembro, os pesquisadores da EPAGRI Renato Vieira e Leandro Hahn visitaram as províncias de Mendoza e San Juan na Argentina para conhecer a região produtora de hortaliças e a viticultura, uma das mais importantes regiões produtoras de vinho do mundo. A agenda da visita técnica foi organizada pela Embrapa Hortaliças (CNPH), e pelo Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária da Argentina (INTA), onde são desenvolvidos diversos programas de pesquisa, com destaque para produção de hortaliças, frutas, e a viticultura.

A visita técnica teve por objetivo a troca de experiência entre as instituições de pesquisa dos dois países, e propiciar o contato com empresas e produtores do ramo da horticultura na Argentina, considerada uma das grandes regiões agrícolas do mundo, tendo uma superfície agrícola de mais de 240.000 hectares. Além dos pesquisadores da Epagri, participaram também da visita técnica pesquisadores da Embrapa-CNPQ, empresários, representantes de Instituições de Ensino do Brasil, e pesquisadores do Chile. 

Agenda - Os participantes foram recebidos na cidade de Mendoza, na Estación Experimental La Consulta, por pesquisadores do INTA, onde se iniciou a visita com a apresentação dos programas desenvolvidos naquela Instituição.

A partir da estação experimental La Consulta, localizada na cidade de Mendoza, capital da província de Mendoza, os participantes da visita técnica tiveram uma explicação dos técnicos do INTA sobre os programas de melhoramento genético do alho e da cebola desenvolvidos na região. "Como o Brasil é grande consumidor do alho e cebola argentinos, tivemos a oportunidade de interagir com os especialistas na troca de experiências a respeito dessas culturas".

Outros programas de melhoramento genético do INTA, tais como o tomate, abóboras e cenoura também foram visitados pelos participantes. Pesquisas em cultivo protegido, irrigação, tecnologia de sementes também constaram no programa da visita.

Pesquisador Renato Vieira, visitando vinícolas argentinas e também produção de hortifrutis do País vizinho e novas tecnologias, em viagem técnica novembro passado

Em Mendoza, conhecemos também o cinturão verde, localizado na região de Valle de Uco, onde se destacam a produção de folhosas - alface, escarola, almeirão, entre outras, produzidas em sistema de "flutuação", no qual é utilizado água subterrânea, ou "água surgente", originada do degelo das montanhas congeladas da Cordilheira dos Andes.

Na província de San Juan, mais ao norte, em uma região extremamente árida, os visitantes conheceram a produção de aspargos, produto relevante da pauta de exportações da Argentina, uma cultura ainda pouco cultivada no Brasil, mas com grande potencial de crescimento. Ainda na região, os participantes conheceram a produção de sementes de cebola e cenouras híbridas. Sementes com alta qualidade são produzidas pelo favorecimento do clima quase desértico dessa região.

Província de Mendoza - Mendoza é considerada uma das principais regiões produtoras de frutas da Argentina e a 5ª maior produtora de vinho do mundo. Fica no Centro-Oeste da Argentina, na fronteira com o Chile, e é cercada de pomares e vinhedos, apesar do clima semelhante ao deserto. A Cordilheira dos Andes tem oito mil quilômetros de extensão e vai da Argentina até a Venezuela. A altitude média gira em torno dos quatro mil metros e ultrapassa os seis mil metros em alguns pontos. Mesmo no verão, os picos mais altos sempre têm gelo. No inverno, as montanhas ficam cobertas pela neve. Na primavera, conforme a temperatura vai aumentando, a neve vai derretendo e vira água líquida, que escorre montanha abaixo formando córregos e rios. Além do rio Mendoza há mais quatro rios importantes na região formados pela água do degelo: o Tunuyan, Atuel, Diamante e o Rio Grande.

A cidade de Mendoza, capital da Província de Mendoza, onde se concentrou a visita técnica, é a maior e mais importante cidade da região. As principais produções agrícolas na província de Mendoza são: videira, com 144.000 ha, frutas com 84.000 ha (ameixa, pêssego, cerejas, etc), e as hortaliças com 35.000 ha.

Quando se fala na região de Mendoza, na Argentina, é imediata a associação à uma bebida consumida em todo o mundo, o vinho. O vinho encontrou no clima semidesértico, árido e continental da região de Mendoza, onde os dias são ensolarados no verão e o inverno frio, com oscilações de temperaturas importantes, condição perfeita para o desenvolvimento de vinhedos, sendo um conhecido centro mundial de produção de vinho, bem como um dos destinos turísticos mais procurados e visitados na Argentina devido às suas características montanhosas. A história da viticultura na região se inicia ao mesmo tempo em que os primeiros assentamentos espanhóis acontecem há quase 500 anos. Responsável por 70% da produção vinícola da Argentina, a Província de Mendoza é de longe a principal região vitivinicultora do país, uma das principais das Américas e, consequentemente, uma das mais importantes do chamado Novo Mundo.

Localizada numa extensão territorial que está entre 900 e 1.300 metros acima do nível do mar, Mendoza possui clima árido e seco, onde a água somente é encontrada nos chamados oásis, onde os rios que nascem nos pontos mais altos dos Andes escoam suas fortes correntes de água. As chuvas são escassas, os ventos secos, o verão quente e úmido e o inverno muito frio, com geadas noturnas, e os dias ensolarados dão o caráter geral do clima na região.

O clima, que por todas as suas características afastam insetos e pragas das plantações, os dias quentes que dão mais doçura ao vinho e as noites frias que lhes dão taninos acentuados, além do solo seco e do processo de gotejamento que lhes oferece boa estrutura e um caráter mineral importante, fazem com que Mendoza ofereça um terroir perfeito para a produção de bebidas de ótima qualidade.

Na Estação Experimental do INTA em Mendoza foi apresentado aos pesquisadores visitantes o Programa de Melhoramento genético de videiras. O programa conta com um Banco Ativo de Germoplasma (BAG) com mais de 700 acessos de variedades cadastradas, provenientes de várias regiões do mundo, sendo esses materiais usados como fonte de variabilidade genética no programa de melhoramento da Instituição. Conta ainda com um BAG com mais de 40 acessos de variedades crioulas (variedades locais) de videira, também utilizadas para fabricação de vinhos. Além da uva para vinhos, o INTA também já desenvolveu em seu programa de melhoramento genético diversas variedades de uva de mesa.

Durante a visita tivemos a oportunidade de conhecer uma das mais importantes vinícolas da região, a vinícola "Alta Vista". Na Província de Mendoza e região existem mais de mil vinícolas ("bodegas") espalhadas pelo deserto andino, entre gigantes vitivinícolas e pequenos empreendimentos familiares, contrastando tecnologias avançadas no processo de cultivo, fermentação e comercialização do vinho, com conhecimentos tradicionais, rudimentares, passados de geração para geração na produção da bebida.

Também fez parte da expedição uma visita à um centro de distribuição (do tipo CEASA) em Guaymallen, o segundo maior mercado de frutas e hortaliças da Argentina, onde teve-se a oportunidade de interagir com os atacadistas e observar a qualidade das hortaliças comercializadas no país.

De modo geral a visita proporcionou um bom aprendizado para todos os participantes, em todos os aspectos. Conhecemos muitas técnicas de produção em culturas que são também alvos de pesquisa nas instituições do Brasil, como a Epagri, estabelecemos contatos e interações importantes com o INTA, empresas privadas e produtores. Certamente a experiência deverá ter reflexos positivos nas nossas respectivas áreas de atuação dentro de nossas instituições, seja de pesquisa, seja de ensino.

*Renato Luís Vieira/Pesquisador da EPAGRI - Recursos Genéticos Vegetais - E. E. de Caçador - [email protected] - Tel. (49) 98905-1075.

Comments