Notícias do Pomar

Campanha Gaúcha se destaca como potência vitivinícola sustentável

Rótulos produzidos utilizando energia solar e resíduos viram composto orgânico e até cosméticos


A Campanha Gaúcha, região que faz fronteira com o Uruguai e Argentina, conhecida por belas paisagens e rica tradição vitivinícola, tem ampliado horizontes ao incorporar práticas de sustentabilidade na produção de vinhos. Localizada no extremo Sul do Brasil, já colheu mais de 8 milhões de quilos de uvas em 2023, tendo estabelecido uma relação de harmonia entre a produção de rótulos de qualidade e respeito ao meio ambiente.

Por ter um clima seco, a produção não utiliza químicos em larga escala, já que as principais pragas, como os fungos, por exemplo, se proliferam a partir da umidade. "A nossa condição climática propicia um tratamento mais natural, o trabalho no geral é muito limpo" afirma Pedro Candelária, presidente da Associação Vinhos da Campanha Gaúcha.

Outra prática sustentável que faz parte da rotina de alguns dos associados é a utilização de placas solares, não apenas nas unidades, mas também nos vinhedos. As vinícolas Almadén, Batalha, Campos de Cima e Guatambu, por exemplo, utilizam energia solar nas suas instalações. "A energia da nossa vinícola é totalmente auto sustentável, as células fotovoltaicas atendem 100% da nossa demanda" diz Gabriela Pötter, da Guatambu, vinícola pioneira ao adotar esse sistema, em 2016.

O forte apelo territorial do Bioma Pampa inspira uma prática limpa - além do que as áreas de preservação ambiental não podem ser desmatadas: é o manejo preservado. Existem áreas no local que são chamadas reservas legais, onde a natureza não pode ser alterada, o que resulta na preservação da biodiversidade - incluindo espécies ameaçadas de extinção. 

Outra prática adotada pelos associados diz respeito aos resíduos das uvas que sobram das prensas na produção dos vinhos, que são aproveitados de diferentes maneiras. Em sua maioria, a partir da utilização de composteiras, as vinícolas transformam os descartes em compostos orgânicos, que retornam ao solo como adubo, evitando o desperdício. Mas um outro destino dos bagaços das uvas que tem chamado atenção é a produção de cosméticos.

Resíduos da uva se transformam em produtos de autocuidado - Margaritha Cobuci é médica dermatologista há 22 anos e enxergou no descarte da uva uma oportunidade de negócio: assim nasceu a Reviva. Há cinco anos, desafiada por Clori Peruzzo, da vinícola Peruzzo, começou a utilizar os resíduos da prensa da uva para fazer produtos de autocuidado. "Eu coleto esse material da prensa, que é a uva seca com semente, como se fosse uma uva passa. Depois disso, eu seco em uma estufa desenvolvida especialmente para a nossa empresa", pontua a empresária. "Depois o óleo da uva é extraído", completa.

Na primeira leva, Margaritha produziu 3 mil produtos entre cremes de mão e faciais, mas afirma que a partir da base que é extraída da fruta seca, pode desenvolver qualquer outro cosmético. Atualmente a matéria-prima é recebida gratuitamente de três vinícolas - Batalha, Peruzzo e Guatambu. Através deste descarte e com a tecnologia utilizada pela empresária, hoje 10 pessoas estão empregadas desenvolvendo produtos com a marca Reviva.

Exemplos como este comprovam que a região se destaca não só pela qualidade dos rótulos, já atestada em premiações de nível internacional, mas também pelo modo como são produzidos. Cada garrafa conta com uma história de esforço e respeito pelo local de onde vêm, provando que um bom vinho vai muito além dos seus atributos: sua qualidade se baseia muito na ética e no compromisso daqueles que o produzem.

Oito das vinícolas que fazem parte da Associação Vinhos da Campanha - Batalha, Bodega Sossego, Campos de Cima, Dom Pedrito, Dunamis, Guatambu, Peruzzo e Pueblo Pampeiro - estarão presentes na Wine South America, de 12 a 14 de setembro. No evento será possível degustar os rótulos da região e entender porque a Campanha Gaúcha é, cada vez mais, uma potência vitivinícola nacional.

Saiba mais sobre a Campanha Gaúcha

Área geográfica: 44.365 km2

Municípios: 14 - Aceguá, Alegrete, Bagé, Barra do Quaraí, Candiota, Dom Pedrito, Hulha Negra, Itaqui, Lavras do Sul, Maçambará, Quaraí, Rosário do Sul, Santana do Livramento e Uruguaiana.

Conheça mais sobre as vinícolas que estarão no estande da Associação da Campanha Gaúcha na WSA

BATALHA/Bagé - A Vinhos Batalha é uma propriedade que está situada nas terras onde ocorreu a Batalha do Seival. Neste local histórico, são produzidos vinhos em escala limitada, com a filosofia da mínima intervenção enológica.

BODEGA SOSSEGO/Uruguaiana - A Bodega Sossego está localizada em alguns dos vinhedos mais continentais do Brasil, a poucos quilômetros da Argentina e do Uruguai. A vinícola é um projeto que nasceu na Estância do Sossego, fazenda que uniu a criação de gado e cultivo de pastagens à arte da produção de vinhos finos.

CAMPOS DE CIMA/Itaqui - Vinícola familiar localizada na fronteira com a Argentina, a Campos de Cima produz vinhos e espumantes premiados, com presença no mercado nacional e internacional, exportando para o Reino Unido desde 2014. Com uma produção exclusiva de garrafas numeradas, produz rótulos que apresentam blends diferenciados com a tipicidade da Campanha Gaúcha.

DUNAMIS/Dom Pedrito - A Dunamis é a concretização do sonho da família Peterle que desde 1981 dedica-se à criação de gado e ao cultivo de arroz, soja e maçãs. Mas foi a partir de 2002 que o desejo de criar uma vinícola própria ganhou forma, com o cultivo de uvas viníferas de alta qualidade, que hoje produzem rótulos exclusivos, com tiragem limitada.

GUATAMBU/Dom Pedrito - A Guatambu é uma vinícola comandada pela terceira geração da família Pötter, que iniciou o cultivo de mudas importadas da França e Itália em 2003. Hoje, a empresa tem 22 hectares de vinhedos plantados em uma fazenda moderna e estruturada, onde produz rótulos premiados. Em 2023 foi considerada vinícola do ano pelo Guia Descorchados.

PERUZZO/Bagé - A vinícola Peruzzo se define como uma fusão entre tradição e inovação. Fundada em 2002, tem como filosofia a seleção de variedades que melhor se adaptam ao clima e ao solo da Campanha Gaúcha para produzir vinhos e espumantes de qualidade, sempre em vinhedos próprios.

PUEBLO PAMPEIRO/Santana do Livramento - A Pueblo Pampeiro é uma vinícola familiar composta por brasileiros e uruguaios, situada na fronteira dos dois países. Os rótulos concebidos prezam pelo conceito de mínima intervenção, e misturam técnicas ancestrais e modernas em sua produção.

VINHOS DOM PEDRITO/Dom Pedrito - Em 2002 a Vinhos Dom Pedrito iniciou o plantio de mudas importadas da França: seis anos depois lançou seus primeiros rótulos. Atualmente além dos vinhos, a empresa também cultiva macieiras, marmelos e oliveiras, a partir das quais produz uma linha de azeites de oliva. 

Vinícolas que fazem parte da Associação Vinhos da Campanha Gaúcha

 

Almabaska

Grupo Miolo (Almadén e Quinta do Seival)

Batalha

Guatambu

Bodega Sossego

Nova Aliança

Bueno Wines

Peruzzo

Campos de Cima

Pueblo Pampeiro

Cerros de Gaya

Routhier e Darricarrère

Dunamis

Salton

Estância Paraizo

Vinhética

 

Zampieri e Fernandes

*Nave Comunica/Lúcia Porto - [email protected] 

Comments