Notícias do Pomar

Cultivo de viticultura orgânica, foco técnico da Fundação Mach

Hoje dedicado à defesa e sustentabilidade. Trentino entre as áreas mais ativas


O consumo de vinho orgânico em todo o mundo mais que dobrou nos últimos 10 anos e agora representa 3,5% do consumo total. Esta evolução foi suportada por uma constante expansão da área destinada à viticultura biológica que em 2019 (últimos dados disponíveis) valia pouco menos de 470 mil hectares, dos quais cerca de 400 mil na Europa (11,4% da área plantada com vinha), continente em que Itália, França e Espanha disputam a primazia com cerca de 100 mil hectares cada. Claudio Ioriatti, diretor do Centro de Transferência de Tecnologia da Fundação Edmund Mach (FEM), recordou isso ao apresentar o encontro dedicado à "Defesa e sustentabilidade na viticultura orgânica", realizado hoje na sede da Fundação em San Michele all'Adige (Trento), em colaboração com o Centro de Experimentação Laimburg. A iniciativa contou com a presença de técnicos, especialistas, viticultores e operadores do setor.

Recorde-se que o Trentino está entre as regiões italianas com maior incidência de área de vinha para uvas para vinho de cultivo biológico (13,3%): em 2021 atingiu 1.368 hectares com um aumento adicional de 66 hectares em relação a 2020. de áreas certificadas orgânicas e na conversão.

Em relação à situação fitossanitária de 2022 nas fazendas orgânicas do Trentino, as infecções primárias de míldio, como em 2021, foram mais agressivas nas áreas tardias e de montanha, enquanto as secundárias foram evitadas pela escassez de chuvas. O oídio apareceu cedo, mas aumentou significativamente em testemunhas não tratadas apenas na segunda quinzena de julho. A defesa à base de cobre e enxofre recomendada para vinícolas orgânicas nos permitiu manter cachos saudáveis ??para quase todas as situações. Por outro lado, a flavescência dourada é confirmada como um problema muito sério. Por fim, nas vinhas FEM, foi apresentado o teste de "curetagem", a remoção da madeira apodrecida com pequenas motosserras, fazendo incisões mais ou menos profundas nos cepos de vinha.

Os resultados de alguns projetos também foram apresentados durante o foco. "Intaviebio" (financiado pelo PSR Friuli-Venezia Giulia) para reduzir o uso de cobre na viticultura orgânica, verificou a eficácia de alguns sais cúpricos em diferentes dosagens de aplicação em condições controladas de laboratório. Um estudo sobre a "pegada ambiental" na viticultura (índices de carbono, água, nitrogênio, biodiversidade e qualidade do solo), que contou com a colaboração científica entre a FEM e as Universidades de Campania e Tuscia, demonstrou "como o uso integrado desses índices pode ajudar agricultores a realçar a maior sustentabilidade das boas práticas, por exemplo a gestão biológica face à gestão convencional nas vinhas experimentais da Fundação". 

Foi então ilustrado um projeto de gestão sustentável que surge da colaboração entre a FEM e as empresas orgânicas Pratello e Mille1 de Padenghe sul Garda, em Bresciano. Com uma abordagem multidisciplinar, o objetivo foi melhorar os ciclos de produção por meio do uso de práticas agronômicas sustentáveis, a manutenção da fertilidade do solo e da biodiversidade e o aumento da resiliência dos sistemas de produção às mudanças climáticas. Foi também avaliado o efeito da adubação verde na nutrição das vinhas, que demonstrou o seu contributo na melhoria da fertilidade química e biológica do solo, ajudando a mitigar os efeitos das alterações climáticas.  *ASKANews/OIV

Comments

SEE ALSO ...